Resenha: A Hospedeira - Stephenie Meyer

domingo, 12 de maio de 2013

Título: A Hospedeira
Autor: Stephenie Meyer
Editora: Intríseca 

Gênero: Ficção Científica/ Romance

Ano: 2009
Páginas: 557

Nota: 7,8


Sinopse: Nosso planeta foi dominado por um inimigo que não pode ser detectado. Os humanos se tornaram hospedeiros dos invasores: suas mentes são extraídas, enquanto seus corpos permanecem intactos e prosseguem suas vidas aparentemente sem alteração. A maior parte da humanidade sucumbiu a tal processo. Quando Melanie, um dos humanos "selvagens" que ainda restam, é capturada, ela tem certeza de que será seu fim. Peregrina, a "alma" invasora designada para o corpo de Melanie, foi alertada sobre os desafios de viver dentro de um ser humano: as emoções irresistíveis, o excesso de sensações, a persistência das lembranças e das memórias vívidas. Mas há uma dificuldade que Peregrina não esperava: a antiga ocupante de seu corpo se recusa a desistir da posse de sua mente. Peregrina investiga os pensamentos de Melanie com o objetivo de descobrir o paradeiro dos remanescentes da resistência humana. Entretanto, Melanie ocupa a mente de sua invasora com visões do homem que ama: Jared, que continua a viver escondido. Incapaz de se separar dos desejos de seu corpo, Peregrina começa a se sentir intensamente atraída por alguém a quem foi submetida por uma espécie de exposição forçada. Quando os acontecimentos fazem de Melanie e Peregrina improváveis aliadas, elas partem em uma busca incerta e perigosa do homem que ambas amam.




Primeiramente, gostaria de dizer que A Hospedeira ao mesmo me surpreendeu e não me deixou nada surpresa.


Como isso é possível? Não tente entender meu cérebro divergente.


Em A Hospedeira, o mundo foi tomado por alienígenas conhecidos como almas. Eles invadem o corpo de um humano e passam a viver nele. Peregrina é uma alma que já passou por oito planetas e não encontrou nenhum para se estabelecer. Ela vêm para a Terra, seu nono planeta, e passa a viver no corpo de Melanie Stryder, que não está nem a fim de ser controlado por uma alienígena.



Peregrina investiga as memórias de Melanie e descobre sobre a antiga vida de sua hospedeira. Ela se apaixona pelo namorado de Melanie, Jared, e por isso vai atrás dele em uma resistência secreta de humanos no deserto. Mas, ao chegar lá, não é tão bem recebida assim...

Comparado a série já bem conhecida por vocês da Stephenie Meyer, Crepúsculo, A Hospedeira é maravilhoso. Eu gosto bastante da escrita de Meyer - não é isso que eu julgo nela, e sim sua falta de criatividade quanto a Crepúsculo. Mas não vim aqui para falar das enrolações de Crepúsculo e sim do livro A Hospedeira.



A Hospedeira não me tocou como deveria. É um livro que explora bastante a essência humana, a nossa violência e autodestruição, mas não senti que a Meyer trabalhou nisso da maneira certa. Acho que ela chegou a um ponto em que ela praticamente esfregava na nossa cara o quão ruim os humanos são. Talvez se essa mensagem estivesse um pouco mais sutil na história, eu realmente me emocionaria, mas não foi isso que aconteceu.

O começo é chato, chato, chato. Quando ela chega no deserto, fica melhor, mas mais para o meio também fica chato, chato, chato. E o final não me excitou a ponto de me fazer querer uma continuação. Mas no geral, o enredo é bom, e, olha só!, não tinha tanta enrolação quanto eu pensei.

Não gostei da maioria dos personagens. O único que realmente me interessou foi Jamie, e, talvez, Jeb. Não gostei da Peg, ou da Melanie ou do Ian ou do Jared. Todos me pareceram superficiais e reclamões demais. 

O ponto mais forte de A Hospedeira é que Meyer trabalhou bem no mundo em que se passa a história. Pelo menos, foi o que eu achei. Ela criou todos aqueles planetas, todos aqueles seres, organizações, remédios mágicos, comunidade utópicas e etc... Foi o que eu mais gostei. 

Também gostei do fato de que o amor romântico não foi tão abordado no livro quanto eu pensei que seria (sabe, aquele meloso, com o papinho "você é a minha vida" e etc? Pois é... Odeio isso).

Houveram só algumas cenas que realmente me prenderam e me fizeram não conseguir mais parar de ler, e eu acho que só isso já ajudou na minha nota final com o livro. Se não fossem essas cenas, eu daria no máximo um 6,0 para A Hospedeira.

No geral, A Hospedeira é um bom livro, com uma história bem pensada e personagens divertidos de se ler sobre. Mas ~minha opinião~ eu não achei ele um daqueles livros que marcam a sua vida ou mesmo te fazem pensar ou fantasiar sobre ele por um breve período da sua vida.

Kisses,

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Deixe um comentário! Não se esqueça de pôr o link do seu blog (caso você tenha um, é claro) para eu dar uma olhadinha lá depois.
Kisses!