Livro | Convergente - Veronica Roth

domingo, 25 de maio de 2014

Título: Convergente - Divergente #3
Autora: Veronica Roth
Editora: Rocco
Páginas: 526
Gênero: Distopia, Romance, Ação, Ficção.
Ano: 2014
Nota: ♥♥♥♥♥ (4/5)

Sinopse: A sociedade baseada em facções, na qual Tris Prior acreditara um dia, desmoronou – destruída pela violência e por disputas de poder, marcada pela perda e pela traição. No poderoso desfecho da trilogia Divergente, de Veronica Roth, a jovem será posta diante de novos desafios e mais uma vez obrigada a fazer escolhas que exigem coragem, fidelidade, sacrifício e amor. 





Ayo! Feliz dia da toalha para vocês \o/ Ou dia do Orgulho Nerd, como preferirem. Ela é chamada dia do Orgulho Nerd pois é a data de estreia do primeiro filme de Star Wars, que foi em 25 de maio de 1977. Já dia da toalha é por causa da série O Guia do Mochileiro das Galáxias, na qual toalhas tem uma importância assombrosa. Mas enfim, feliz dia da toalha e vamos ao assunto do post!

Hoje trouxe a resenha da conclusão de uma trilogia com a qual eu tenho uma relação de amor e ódio, a trilogia Divergente. Eu simplesmente amei o primeiro livro, mas Insurgente, o segundo, decaiu demais em comparação e a série ficou com uma segundo impressão bem ruim em mim. Já o terceiro (e último) livro, bem... Confesso que foi surpreendente, mas não da maneira que eu estava esperando.

[A resenha pode conter quase spoilers do livro e spoilers dos outros livros da série! Leia por sua própria conta e risco]

Convergente dá continuidade à grande revelação feito no final de Insurgente: há um mundo lá fora, e os Divergentes precisam sair para encontrá-lo. Porém, a líder do sem-facção, Evelyn Johnson, não se importa. Ela quer apenas destruir o sistema de facções e manter todos naquela cidade, usando autoritarismo e julgando cada pessoa por traição. 

Em meio à esse novo sistema, há um grupo de pessoas, os Leais, que desejam voltar ao sistema de facções e mandar um grupo para investigar o que quer que haja lá fora. Assim, nossos protagonistas Tris e Tobias, além de Tori, Christina, Cara, Peter, Caleb e Uriah vão em direção ao desconhecido, e lá descobrem que, literalmente, a vida deles foi uma completa mentira. E pior do que isso, uma mentira baseada em uma crença equivocada. Eles devem lutar contra isso.

Admito que a trilogia Divergente nunca foi uma das minhas preferidas (veja acima a relação de amor e ódio). Ela sempre soou como algo bem normal, uma distopia comum que teria muitas guerras e mortes, mas ao fim acabaria bem. Não foi bem isso que aconteceu, e admiro muito a autora por ter coragem o suficiente para criar um final tão arrebatador.

Muitos fãs ficaram decepcionados quanto ao desfecho da trilogia, mas eu achei um fim digno e inteligente. Basicamente, imagine assim: o livro te dá a impressão o tempo todo de algo e você acredita que o final será inteiramente previsível. ERRADO! Essa é uma das coisas que eu mais gosto em Divergente: os finais são completamente inusitados e sempre te deixam estupefatos. E com Convergente não foi diferente. 

Li em uma resenha o seguinte: "Quando descobrimos a real intenção da distopia de Veronica, nos damos conta que é algo genial e que, de certo modo, nada tão “fora da realidade”" (x) É exatamente isso que quero expressar. De início, a trilogia parece comum e previsível, mas quando você percebe o que ela é de verdade, você também percebe que é simplesmente brilhante.

Convergente merece minha admiração por essa psicologia genial e a reviravolta perfeita, mas fora isso... Já comentei o quanto eu odeio os personagens de Divergente, e dessa vez não houve nada que mudasse minha opinião. Inclusive o único personagem que eu sempre gostei, o Tobias, me decepcionou nesse livro. E os que eram legais morreram. Mas não vou falar muito mais, pois acredito que é spoiler. 

Além disso, a narração do livro foi completamente broxante. Sério, tinha horas que eu simplesmente não conseguia continuar a ler porque tudo estava parado e chato. E com suas 500 páginas, isso foi realmente chato. O desenvolvimento de personagens e diálogos são pontos mais fracos de Divergente, e por causa disso o livro perdeu um pontinho u.u

Bem, vou parar por aqui. Esse é a aquele tipo de livro em que não se pode falar demais, ou se estraga tudo. Diferente dos outros fãs, achei o final digníssimo. Para quem gosta de algo diferente e eletrizante, Divergente é uma ótima pedida.

Kisses,

6 comentários :

  1. Sua do mal! Estou magoada com você!
    Como se não bastasse ler o livro, você ainda tem que esfregar na cara que leu e NÃO gostou.
    Tá, eu não li a postagem inteira porque tem spoiler e talz, eu só li até a parte que você avisa que tem spoiler.
    *faz cara emburrada*
    Sua má!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nyaaa, não fique =3=
      Na verdade eu gostei bastante do livro. Ele foi diferente, eletrizante e inteligente. Em alguns pontos. Em outros ele foi realmente um pé no saco, mas esse não é o ponto.
      Eu sou má mesmo huashusahusa Mas sou uma má legal u.u
      *força sorrisinho na Marih*

      Excluir
  2. Eu sei que até a protagonista morre no final, pelo que ouvi... Não sei se irei ler. Principalmente porque aquela personagem que escolheram pra ser a protagonista no filme foi uma cara tão sem expressão. E eu sei que não tem nada a ver, mas pra mim tem porque sou um alienígena que veio dominar este planeta e é isso aí.
    Esse final parece ser bom, mas depois de muitas críticas negativas não está em minha lista de compras. Talvez eu dê uma olhadinha nele, sei lá. Esquece, não vou dar uma olhadinha nele.
    photo-and-coffee.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, eu ouvi esse spoiler antes de ler o livro, mas honestamente, eu fiquei feliz :v Não aguentava mais aquela personagem, mais chata não existe. A atriz na realidade é muito boa, e até fez a Tris ficar menos insuportável. Os personagens são bem bleh, mas os atores do filme são ótimos.
      O final é ótimo, mas muitos fãs não gostaram por causa dessa morte. Mas ele é bem inteligente. O problema dessa trilogia mesmo é que, para uma escritora estreante, foi muito arriscado. A Veronica não tem muito experiência e por isso o livro ficou meio mal-escrito, com personagens chatos e um enredo meio confuso. Sugiro que dê uma olhada e tire suas próprias conclusões, porque fora isso que eu citei, o livro tem uma proposta ótima e inteligente :)

      Excluir
  3. Eu queria ler o livro e assisti o filme, mas além de não ter dinheiro p/ ir p/ o cinema tmb não tenho p/ comprar o livro... me falta ostentação......

    http://animesjaychan.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já tinha lido o livro bem antes de anunciarem o filme (a gente ainda tinha dreamcast naquela época asahushaush) e vi o filme na semana de estreia :) Não tenho dinheiro para nada também x.x

      Excluir

Deixe um comentário! Não se esqueça de pôr o link do seu blog (caso você tenha um, é claro) para eu dar uma olhadinha lá depois.
Kisses!