Série | The Get Down

sábado, 19 de novembro de 2016

a edição tá meio lixo mas é a pressa

Ayo! Não vou botar uma introdução muito grande, mas vamos dizer apenas que férias não significa tempo livre )o)

Anyways, hoje eu trouxe a famigerada resenha de The Get Down, uma série que se tornou uma das minhas preferidas em questões de... Um episódio, really.

(Eu fiquei com medo de fazer essa resenha e acabar ficando só "é muito bom, vejam The Get Down", mas vamos lá.)


The Get Down (2016-)
País: EUA
Episódios: 6 (60 minutos cada episódio) 
Ambientada em Nova York durante 1977, The Get Down conta a história de como, à beira das ruínas e da falência, a grande metrópole deu origem a um novo movimento musical no Bronx, focado nos jovens negros e minorias que são marginalizados. Entre o augo da Disco Music e o surgimento da cultura hip-hop, a história se costura ao redor das vidas dos moradores do Bronx e de sua relação com arte, música, dança, latas de spray, política e Manhattan.





P  or onde eu começo? Primeiro, acho importante dizer que há muito tempo eu tinha parado de assistir séries: sempre começava uma, enjoava, dormia, cansava. Só terminei Stranger Things porque ela é rápida e sem enrolações. Mas eu estava cansando de assistir a séries - de assistir a qualquer coisa, really - e The Get Down me tirou disso. E só fez isso porque é realmente muito bom.

The Get Down se passa em 1977 na periferia de Nova York, no Bronx, alvo de injustiças do governo, marginalização de seus habitantes e literalmente, chamas. Nesse caos, a série foca em Ezekiel, ou Zeke (Justice Smith), um estudante que está tão perdido quanto os outros moradores do Bronx, mas com alguns diferenciais: ele tem um talento natural para a poesia; e ele é completamente apaixonado por Mylene (Herizen Guardiola), que sonha em se tonar uma estrela da disco music, mas é impedida pelo pai, que é uma religioso extremista. Ao longo da série e com a ajuda do misterioso Shaolin (Shameik Moore), Zeke vê-se envolvido com máfias e política, mas também com algo que mudaria a sua vida: a cultura hip-hop, com suas festas, DJs, b-boying, rapping e graffiti, que começava a consolidar-se na época.

 

A parte mais importante é que The Get Down realmente mantém-se à essência do rap: ritmo e poesia. E é poesia mesmo. Do tipo que arrepia todos os pelos do seu corpo e te faz ficar pensando na vida depois. Eu gostei muito disso na série, de como ela explora as origens do hip-hop com maestria e integridade, quando o hip-hop tinha haver com rebeldia, paixão e críticas sociais (e não ostentação, sexo e dissing como é hoje). Tem uma cena bem legal em que os personagens discutem que não é legal botar um palavrão como "motherfucker" nas rimas deles - uma diferença enorme se comparando ao cenário do hip-hop atual. The Get Down é uma maneira interessante e estranhamente didática de aprender sobre as origens da cultura underground. Somos apresentados também aos DJs e às suas festas, e aos grafiteiros que faziam "pichações" em túneis e vagões de trem pela cidade, o que os igualava a marginais aos olhos do governo.

Não só a cultura hip-hop, mas The Get Down é um hino à diversidade! Existe um plot sutil envolvendo o racismo da época - não é do tipo que joga situações racistas absurdas e discursos ativistas forçados, mas sim momentos quietos e quase imperceptíveis, mas revoltantes, como era/é a expressão do racismo realmente (isso percebe-se, por exemplo, em uma cena incrível ao som de Black Man in a White World no episódio 5). Tem até um momento no último episódio que se passa numa balada gay e mostra a comunidade e a expressão LGBT da época (que é uma cena maravilhosa visualmente, diga-se de passagem). Existem muitas críticas em relação à política e questões sociais que, por mais que a série se passe 40 anos atrás, fazem sentido para os dias atuais também (o que não é lá muito reconfortante).

Há uma mensagem subliminar que ao longo da série vamos percebendo: a poesia também está nas ruas, nos guetos, nas pichações nos muros e trens, nas festas, no "proibido". Todas essas coisas podem ser incrivelmente épicas e transmitem uma sensação de paixão e de liberdade para os personagens.


Quem me conhece sabe que a parte mais importante de uma história pra mim são os personagens - sem personagens que te cativam, não há nenhum apelo. The Get Down tem um elenco de personagens sensacional! Os amigos de Zeke, os irmãos Ra Ra (Skylan Brooks), Dizzee (Jaden Smith) e Boo Boo (Tremaine Brown Jr.), e as amigas de Mylene, Regina (Shyrley Rodriguez) e Yolanda (Stefanée Martin) são muito bem construídos apesar de serem secundários, e acabamos nos apegando a eles também. Além disso, todas as expressões culturais e de época foram pensadas e são muito utilizzadas - os diálogos soam totalmente naturais, com gírias de época, palavrões, etc; não é nem um pouco forçado.

E vale destacar como a série é visualmente maravilhosa. O trabalho de fotografia é sensacional e as paletas de cores são incríveis, vibrantes e quentes; é o tipo de trabalho visual que te envolve, que faz você focar completamente na série e se sentir quase dentro dela. Além de ser tudo muito único, eu certamente nunca tinha visto um trabalho de fotografia, figurino e cenário tão cuidadoso e harmonioso com a história. Em algumas cenas também são misturadas filmagens que parecem reais, o que deixa a série com um ar ainda mais convincente. Um dos diretores é o Baz Luhrmann, responsável por filmes como Moulin Rouge e O Grande Gatsby, então entende-se porque o apelo visual é tão forte. 

Não considero The Get Down uma série musical, mas sim umas série sobre música. A trilha sonora é usada expressivamente, às vezes misturando duas músicas na mesma cena, como se simulando o que o DJ faz. Além disso, a trilha é maravilhosa e transmite muito bem o ar de anos 70. Ela está toda disponível no Spotify pra quem quiser conferir ♥ Minhas faixas favoritas devem ser Shaolin's Theme, Telepathy e Black Man in a White World.

  

Acho que um pequeno problema da série é a duração dos episódios. O primeiro episódio tem 1 hora e meia - ou seja, é praticamente a duração de um filme! E os outros cinco episódios tem aproximadamente uma hora também. Apesar de serem poucos episódios, é um pouco cansativo e quem não tem muito tempo pode ser complicado assistir à série. (Eu terminei em uma semana - mas eu estava viciada e não faço nada da vida então shhh.)

Também é importantíssimo avisar que a série trata de temas muito pesados, como drogas, violência e estupro. Então ela não é exatamente recomendável para todos os públicos, o que é provavelmente o motivo pelo qual The Get Down não teve tanto sucesso quanto por exemplo Stranger Things - o que me deixa um pouco triste, mas eu entendo que são públicos diferentes. Fica aí o aviso para pessoas mais sensíveis, mas caso você não tenha problema a série é sensacional e trata os temas muito bem, então realmente vale a pena assistir.

Concluindo, eu amei muito The Get Down. A série tornou-se uma das minhas preferidas - eu amei o estilo, o visual, a histórias, os personagens. É uma série super poética, que te faz pensar; mas ao mesmo tempo é bem desencanada e divertida de assistir. Eu acho que é uma série de importância e que todos que se interessam pelos temas de hip-hop e a comunidade negra de NY deviam assistir, além de ser um entretenimento de primeira. Mas resumindo tudo que eu falei: ASSISTAM THE GET DOWN, AMIGOS!

º º º

Por hoje é só, gente ♥ Aconteceu bastante coisa ultimamente, mas eu vou deixar isso pra um post de tipo diário futuramente~ 

2 comentários :

  1. Ooi, Hannah! o/

    Assim que eu vi o anúncio da Netflix de The Get Down, fiquei interessada. Só não assisti ainda por falta de tempo e por ter algumas coisas na frente na lista, mas agora com sua resenha, fiquei ainda mais pilhada de ver! Eu acho que realmente precisamos de mais séries que falam sobre a diversidade e a cultura que não seja aquela clássica e estereotipada bombardeada em nós pela televisão afora. A cultura de opressão e de crítica, feita de uma forma mais verdadeira, sem ser forçada. É uma pena que não tenha feito tanto sucesso quanto merecia, realmente.

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aaah, assista Helo! ♥ (Fico feliz que eu tenha te incitado ainda mais pra assistir xD)
      Eu mesma demorei um pouco pra me interessar e assistir, mas quando comecei não parei mais )o)
      E siiim, eu gostei muito de The Get Down porque não é nem um pouco estereotipada. Tudo na série é muito natural e você se sente honestamente intrigado pelas questões abordadas.

      Excluir

Deixe um comentário! Não se esqueça de pôr o link do seu blog (caso você tenha um, é claro) para eu dar uma olhadinha lá depois.
Kisses!